NOTÍCIAS

LIRAGLUTIDA

20.04.2015

    A liraglutida, conhecida comercialmente como Victoza, antes comercializada como um medicamento antidiabético, recentemente recebeu a aprovação da FDA para ser enquadrada na categoria de medicamentos emagrecedores, por promover perda de peso.

Apesar de alguns países já incluírem a liraglutida como medicamento emagrecedor, a ANVISA não reconhece a indicação do Victoza para qualquer utilização terapêutica diferente da aprovada, e afirma que o uso do produto para qualquer outra finalidade que não seja como antidiabético caracteriza elevado risco sanitário para a saúde da população (Resolução de 2011).

   A liraglutida imita uma substância natural do organismo, o GLP-1 que é o principal hormônio associado à sensação de saciedade e ao mecanismo de produção de insulina pelo pâncreas. O GLP-1 é sintetizado toda vez que o alimento chega à porção final do intestino delgado. O hormônio age primeiramente no próprio intestino, reduzindo os movimentos de contração o que aumenta o tempo de digestão e consequentemente favorece a saciedade. O GLP-1 então cai na corrente sanguínea e segue até o seu segundo sítio de ação, o pâncreas, onde estimula a secreção de insulina pelas células beta. A intensidade da ação do GLP-1 no pâncreas depende do volume de glicose no sangue; desta maneira, quanto maior for a glicemia, maior será o estímulo das células beta e no caso da glicemia normal, a secreção de insulina não será estimulada. O GLP-1 age também no sistema nervoso, ativando as células cerebrais da saciedade, localizadas em duas regiões: o postrema (estrutura cerebral próxima à nuca) e o hipotálamo.

   A ação do GLP-1 sintético é mais intensa do que a do hormônio produzido naturalmente. Isto ocorre, pois a liraglutida não depende da chegada da comida ao intestino (ela é injetada diariamente direto na corrente sanguínea), assim ela circula no organismo em quantidades muito maiores do que o hormônio natural. Além disso, seu efeito no organismo dura 24 horas, enquanto o GLP-1 natural age apenas por três minutos.

  Segundo a ANVISA, a liraglutida pode causar riscos como pancreatites, desidratação, alteração da função renal e distúrbios da tireoide (além de efeitos adversos relatados também por quem usa o Victoza para controlar o diabetes, como dores de cabeça, náusea e diarreia).

  Este medicamento é contra indicado para: mulheres grávidas ou amamentando, crianças, pessoas com problemas renais, pessoas com câncer, alcoólatras e pessoas com úlceras.

   Por fim, vale lembrar que o uso indiscriminado de medicamentos pode proporcionar riscos à saúde. Prosseguir com hábitos alimentares errados, como o consumo elevado de gordura e de alimentos que proporcionem um aumento do colesterol pode ocasionar em ganho de peso, ou retorno ao peso inicial, antes do tratamento medicamentoso.

Certamente, a manutenção hábitos alimentares saudáveis, e a prática de atividade física regular, obtemos resultados muito melhores, além de preservarmos  a saúde e a qualidade de vida.